domingo, 8 de maio de 2016

Mae Estrela






Minha abelha rainha
Que nos meus sonhos é uma fada
Que me protege
Acaricia e afaga

Enquanto eu durmo
Nos meus sonhos a fantasia
Da minha mãe presente
E uma alegria

Tão tia
Tão avó
Tão mãe
Tão nossa

E sempre estar ao meu lado
Sem limite de proporções
Nem tão pouco é diferente
Em amor e porções


Seu carinho é tão natural
Na família é tia
Com muitos netos
Seu abraço, carinho e surreal

Alguns de sangue e muitos de coração
Que encanta os seus súditos
Com gestos de ninar
Senhora é dona de uma nação

Tão tia
Tão avó
Tão mãe
Tão nossa

Com amigos sempre um sorriso aberto
Um olhar severo
Uma verdade sem mera
Um gesto sincero

E sabem que ela não tem meias palavras
Então não esperem dela
Ah não ser a sinceridade
Por isso faz ela ser tão unica

Tão tia
Tão avó
Tão mãe
Tão nossa

Minha abelha rainha
Voa sempre em pensamentos
E cura as minhas feridas
No seu acalento

Quando penso na sua grande força
De estar presente
Mesmo na ausência física
Sinto suas mãos com intensidade
Me acolhendo nos seus braços

 A estrela que brilha nas noites
Nos dias de chuva
No frio acolhe
Com seu manto sagrado
Em cada ramo de uma espiral
Em cada galaxia alegria

Tão tia
Tão avó
Tão mãe
Tão nossa

De constelação
Minha abelha
Hoje e seu dia
Seus cabelos brancos
Enfeitam uma dona bela
Sendo a maior das estrelas
Maior que todas as rainha
No reino que entre duas mulheres
Contam os segredos entre mãe e filha







Autora: Isabel van Gurp

Mãe para sempre


Entrei na sua vida
Sem pedir
Sem nada
Mas exigindo tudo

Entrei na sua vida
Me aconchegando
Tomando conta do seu mundo
Dormindo e deitando
E muitas vezes chorando

Entre os seus seios
Sugando
Sentindo filha
Querendo ser
Filha do amor
Do olhar
Entregou todo o seu amor
Sem restrição, sem queixas
Sem perguntas
E assim foi nossa historia
Historia de uma mãe e uma filha

Mesmo sem ser de sangue
Há nas nossas veias é um laço
Um abraço
Que ninguém pode tirar ou desfazer
E uma aliança de amor
Com pacto de sangue
Não houve um parto
Mas um pacto

Uma gravidez que começou com a vida
Sem os nove meses
Que dizem que o sol esta no acaso
Uma ponte de entrega
Nada por acaso

Somos mãe e filha por escolha
Pelo um acaso e pela uma aliança
De amor
Amor tão sublime
Que não deixa de ser 
Completamente absoluto

Nosso olhar sempre houve uma grande cumplicidade
Uma amizade que jamais vou encontrar na minha vida
Essa mulher sempre em todos os momentos da minha existência
É tão presente

Minha mãe de carne e unha
Mesmo que o seu sangue não correm nas minhas veias
Sinto que ele passa pelo meu coração 
Eu sou filha de doação 





















Isabel van Gurp

Imaginem

São nuvens que formam com as  lagrimas No céu -Dizem que é morada dos anjos E o que dizem... Que os anjos bons Voam pra la Imag...