sábado, 28 de setembro de 2013

Ainda sou....



Ainda sou....
















Ainda sou uma criança 
Vivo histórias e brinco com elas
Vejo meu herói 
Em todos os lados 
Acredito em príncipes e princesas
Não tenho medo de bruxas
Quero que todos dias seja natal
Para esperar meu papai noel.....
Cheio de presentes...
Ele foi meu primeiro principe encantado....
Ainda sou uma menina
Faço historias em frente aos espelhos
E voo com elas 
Na ponta do pé 
Eu sei dançar 
Faço passos diferentes
Como bailarina  
Com as imagens das minhas sombras
Que voam nos meus sonhos
Não refletem no espelho
Alegria de brincar e bailar
Vejo meu príncipe dos livros e sonho que dança comigo
Me faz flutuar 
Ele não é só meu herói

Mas quero ser sua princesa
Penso em namorar
Ainda sou uma jovem
Vivo histórias que transformam os meus dias
Em realidade
Nem sempre é uma fantasia 
Nem sempre e tão feliz
Mas descubro a vida
Agora não sei se existem heróis
Faz de conta
Mas quero acreditar ainda...
Encontros bruxas que passam
Que afasto com um sorriso
Busco um príncipe disfarço
Penso e sonho com ele
Como se fosse uma menina
Ele é perfeito 
Ele saiu  das paginas douradas
De algum conto de fada
Dos sonhos...meus sonhos
Ele me ama, me protege...

Quero me sentir uma princesa
Vejo ainda no reflexo do espelho 
Ainda sou uma mulher
Que usa saltos altos 
Deixa na marca do batom 
O encontro 
Ou desencontro de alguns amores 
Uso o espelho para encontrar minha vaidade
Para dar um toque nas sombras das minhas lágrima
Ou para ver meu sorriso pintado
Que reflete a marca da dor e do tempo
Do vazio da busca
E o medo da solidão 
Dos príncipes que querem cavalgar pelo meu corpo
Depois ir embora 
Sem deixar  uma linha sequer para escrever um conto de fadas 
E muito menos me transformar em uma princesa amada
Escrever na ultima pagina 
E, assim não foram felizes para sempre
Ainda sou eu 
Que aprendi na vida 
O valor da historias 

Que transformaram todos os meus desejos em sonhos, algumas aventuras e outros em receios
E, no começo
Em todos amores 
No final
Uma lição
Uma lição 
Que estava na primeira pagina 
Dos livros de contos de fadas
Era uma vez 
Uma princesa  

  autora: Isabel van Gurp

 




 
 




 






quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Meu ultimo pedido

Desfile dos Escravos da Mauá - Rio de Janeiro - 2013
Desfile das escolas do segundo grupo carnaval 2013

Meu Ultimo Pedido



Quando eu sentir minha alma
Saindo do meu corpo
Vou pedir uns minutos
Será meu último pedido
Para escutar um samba
O mesmo que me fazia levitar
Aquele que fazia meu corpo tremer e valsar
Perder os sentidos e a razão
O que me fazia sonhar
O que me entregava a coroa
Me transformava em  rainha
Fazia todos os meus súditos se inclinarem
Com os instrumentos de percussão 
Acenar e aplaudir na minha passagem pela avenida
Aquele que tocava numa passarela
O suor dos tambores
Dos ritmistas que molhavam meu corpo
Rangia os tamborins
Que se escutava de longe
Entre os confins
Aquele samba de raios 
Que dizia d'aonde eu vinha
Que fala da minha casta
E dizia que eu também já fui uma escrava
Aquele samba
Que foi feito nos morros
Que contava nas suas linhas e versos
A dor de um povo
De uma raça
Lamuria de sofrer num tronco
Acoitado pelo chicote que doía menos na pele e mais na alma
Que contava em ritmo
A luta da liberdade
Do sofrimento 
Da resignação 
A ignomínia de uma nação 
O sangue que jorrava na história até hoje 
Na luta o sofrimento de várias gerações
Que tantos morreram 
Mas nunca foram heróis 
Quanto muitos eram negros fugitivos
Partiam para seus morros
Foi ali que nasceu meu samba
Esse que foi proibido pelo brancos
Foi infâmia, injuria
Condenado caiu na luxuria
Mas minha musica é tão envolvente 
Que o pecado caiu na alma desta gente
Que aos poucos foi resgatando espaços
E agora é cultura
Faz parte da historia 
E é  memoria de  um povo 
Vitoria dos pés dos negros negras mulatos e mulatas
De pés nus 
Sem sapatos dançavam
Entre muitos brancos que caíram na tentação 
De sambar o meu samba
Então viraram negros no espirito de cor branca na pele
Esse é o samba 
Que eu quero escutar
Esse que toca  nas ruas, nas avenidas, nos palcos, nos terreiros 
Esse que lava minha alma 
Com batuque
Faz fugir do meu corpo
Com um truque
Me faz rainha
Da passarela
Da noite
Me fazia feliz 
Me faz feliz 
No ultimo minuto 
Esse samba eu levo dentro de mim
Deixa eu escutar essa orquestra 
Que se chama bateria
Assim eu me vou feliz


  autora: Isabel van Gurp











Aonde todas são rainhas



























quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Mascara

Mascara 

Caiu a mascara
Caiu
Vamos tirar a mascara
E sair limpo de cara lavada
Arrumados e dignos
Ir a luta
E transformar o nosso pais
Em nosso
Porque nós sem mascara
De cara limpa, linha de frente e na vanguarda
Somos mais
Eles estão ainda com mascaras?
Sem cara e sem nós
Podem?
Representar essa multidão
Com votos secretos
Contra uma nação
Pode?
Cai cai
Será que eles são menos homens e mulheres
Do que os mascarados que vão para rua
Em nome de um povo
Não temem a luta
Nem a própria a morte
Em luta sublime  a própria sorte
Cai  cai cai
Que não assumem o que eles fazem
Na câmara, parlamento ou em Brasilia
Se nossa mascara cai
E porque as deles ficam?
Cai o traidor
Cai o bandido
Mas quem luta
Não foge
Mas eles correm
Não dos militares
Mas da verdade
Se escondem atrás da lei
Trai a liberdade
Eles são  o poder
Contra a democracia
Então cai cai
No mundo as suas mascaras
O voto contra as mudanças
O futuro de crianças
A favor de salários exorbitantes
Mas o voto secreto dos verdadeiros mascarados ficam
Porque eles tem medo?
Porque são covardes
E todos covardes fogem da luta e da verdade
Cai cai cai
Cai a lei que escondem com as mãos sujas esses homens de ternos e gravatas
E arrumados
Pelos meninos engraxadores de ruas sem mascaras
Sem opção
Que jogam seus lixos nas nossas vidas
Convenientes a  nossa miséria
Cai cai cai
Cai verdadeiros mascarados
Que diante da lei
São nossos representantes
Então, cai esta lei
Que protegem esses homens
Deixem eles mostrarem suas caras
Cai a mascara dos manisfestantes
Cai a mascara da lei do voto
Que não nós representa
Cai....então somos todos iguais!!!!!!!



  autora: Isabel van Gurp

Bailarina

N'alma flutua Uma menina Que reflete No espelho Uma mulher Na imagem Dança Uma bailarina Que move Os pés Em círculos E deixa ...