domingo, 12 de janeiro de 2014

Alma gêmea




Alma Gêmea

Olhando para teu olhar
Sinto teu passos
Caminhando em algum lugar
Ouvindo tua voz
Escuto ela no túnel do tempo
Tão familiar
Eu já senti isso antes
Eu sei disso
Tuas mãos tocam no meu corpo
Reconheço teus toques
Eles sempre estiveram em mim
Na minha alma
Eu já senti isso antes
Eu sei disso
Tive a certeza quando encostei
Minha cabeça no teu coração
Ouvir as batidas
Que batia em código morse
O mesmo sinal de disparo que quando nós cruzávamos os nossos olhares
Senti teu calor
Que me envolvia intensamente
Num manto sagrado
Entre teus braços
Teu amor
As nossas  afinidades
As nossas almas gêmeas
Que nunca se perdem entre as vidas
Vidas que se foram
Que se reencontraram
Mas que nunca se abandonam
Eu já senti isso antes
Eu sei disso
Quando o nosso olhar
Se cruzou a primeira vez
Nesta vida
Parecia uma magia
Eu não podia parar de te olhar
E toda vez que eu te olhava
Se perdíamos em lembranças
De algum lugar
De alguma história
De alguma felicidade
Em fração de segundos
Sentíamos um passado voltando
Que vem com a mesma faísca do tempo
Mesma força
Que estala nas nossas mãos
Na mesma linha
Viemos nós completar
Inerte a nossa historia
Seguimos sendo felizes  sempre
Como almas gêmeas
Ou espíritos afins
Estamos predestinados sempre
Eu já senti isso antes
Eu sei disso
Como eu sei
Que entre a terra
O céu e o mar
Me escondo no infinito para te encontrar

                                      autora: Isabel van Gurp





                                                                                                            





















terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Entre o céu e a terra

Entre o céu e a Terra

Nada dos dias 
Diferentes do que eram 
Do que ficam 
Do que vem 

Do que foram
Os  espíritos me levam para montanha
Me fazem sonhar
Em cada sonho vive uma alma
Que voa pelo  azul do céu
Forradas pelo um tapete branco
Dos alpes 
A busca das estrelas
Em cada cume vivem almas
Se encontra a paz
Enleva  
Viveram entre o céu e a terra
Que caminharam  pela neve 
Branca e cintilante 
Pelas pedras cinzas lisas
Maduras e escaldantes 
Os espíritos passam sobre mim 
Como gaviões que levam  corpos

Para conquistar  heroínas e heróis
Saltam em lendas
Para mais alto nível da terra 
A busca de Ngama 
Deus africano 
Ali esta o meu reencontro comigo mesma
Da onde eu vim
Quem sou eu 
Encontro deuses e me pergunto 
Porquê partir e voei para longe 
Desencontrei a Awa
Quando eu pensei que ela morava em mim

Mas ela ficou nos apogeus distantes 
Minha alma buscou o espirito da terra
O sol  
Voa sobre asa do vento
Levada por alguma pena
Mergulhava na calma cama branca das aves
Para ver o sol nascente do mais alto nível do planeta 
Eu vôo sempre
Todas as noites 
Para buscar em mim
Uma saudade que nunca parte
Nada dos dias 
Diferentes do que eram 
Do que ficam 
Do que vem 
Do que foram
Eu sempre vôo nas noites 
Pelas montanhas forradas pelo um tapete branco
Para buscar a minha alma 

Que sempre quer voltar para casa



  autora: Isabel van Gurp












Do ser

Andando por ai.... Sinto o sal da terra Escorrendo pela minha face A energia do vento A brisa do mar Encontro  cores no preto e branco...