domingo, 23 de março de 2014

Ca entre nós

A primavera chega na Holanda
Colorindo os campos e os parques com as cores das flores 





Cá entre nós
Eu  pequei
Deixando de ser menina
Quando entreguei a minha carne
E sentir a minha alma saltar 
Viajei pelo mundo de felicidade
Para um outro lado
Para um mundo desconhecido e confesso
Cheios de surpresas, sensações e alegrias
Meu coração saia pela boca
De tanta emoção
Cá entre nós
Eu pequei
Quando olhei para os seus lábios
E desejei ser beijada
Tocada pelas suas mãos 
Sentir a minha pele ser curtida
No fogo das palavras
Abraçada pela tentação
De ser feminina 
Uma fêmea no cio
Ser feliz 
Ser amada e amar
Na calada  da noite 
Deixando os desejos fluir pela minha carne
Minha respiração ficar mais curta
Meu coração acelerado 
Até fincar em mim o gozo da dor
Cá entre nós
Eu pequei 
Realizei minha fantasias sem medo
Fui somente mulher
Aquela que fica na frente do espelho
Querendo apagar
As marcas das imperfeições 
Contornando com batom os lábios
Para fazê-los mais sensuais 
Mascarando os olhos
Para ficar mais intensos e sedutores
E jogando perfume na minha pele 
Para ficar mais doce
Escolhendo entre os vestidos 
Entre os saltos 
Aquele que me deixa irresistível   
Revelando a palavra frivolidade 
Cá entre nós eu pequei
Me sentindo mais femenina
Em frente apropria imagem
Que refletia no espelho a mulher
Apalpei com as mãos os detalhes da vaidade
Do corpo
Dos seios nus 
Mais amante 
Mais menina
Menos virgem 
Mais pecadora 
Mais concubina
Completamente livre
No verbo fazer
Entre os lençóis a palavra amor
Ca entre nós 
Eu não pequei 
Eu me libertei para ser feliz 
Para ser mulher 
Somente mulher

Autora: Isabel van Gurp

terça-feira, 18 de março de 2014

No Jardim




No meu jardim
Que  todos os dias eu rego
Com um pouco de mim
Com um pouco de água
Com um pouco de sol
E muito amor
Eu vejo brotar amizade
Sementes jogadas no dia a dia da minha vida
Orvalho  molha com carinho
Em noites de lua cheia
E com dedicação jogo uma pitada de alegria na areia
E todos os dias eu olho
E levo um sorriso
Eu ponho minhas mãos para sentir as raízes que crescem
Entre as sementes que passam pelos bicos dos pássaros
Mudam de espaço
Levados pelo Beija-Flor
São semeadas entre as arvores
Nos campos
As vezes voam
Caem no asfalto
Se vão
Deixando saudades
Ou outros ficam na lembrança
Mas  o que fica   
Entre as ervas daninhas
São eternos
Nasce então
Um das mais belas plantas do meu botânico
Tão linda
Com tantas  cores
Tão sensível
Que fecha com seus folíolos
Para me proteger
Num forte abraço com um toque
Me enobrece com a riqueza
Do respeito e o companheirismo 
Meu jardim eu semeio algo
E toda energia que eu recebo 
O que sempre me fortalece 
Vem de lá 
De uma flor que eu dei o nome de amigo. 




Autora: Isabel van Gurp





sexta-feira, 7 de março de 2014

Festa dos loucos


Príncipe do carnaval de Breda


Na Holanda o carnaval tem a mesma alegria e esplendor. O carnaval na Holanda fica concentrado nas cidades Católicas principalmente na região Brabant.
Adicionar legenda

Festa dos loucos

O silêncio da magia se foi
Caiu a noite
E todos
Os  ratos, ursos, piratas, colombinas, coelhos e dançarinas
Saíram das casas
Passa aqui Passa ali e Vamos nós
Brotaram asas e voaram
Propagaram ao som da musica
Da cor que flutuaram
Nos cantos dos bares
Subiram pelos ares
Deixaram as marcas do sorriso
Passa aqui Passa ali e Vamos nós
Da alegria
Beberam  purpurina
Se jogaram nas estradas
Atras de um canto
Com balanço de um acorde
De uma nota
Passa aqui Passa ali e Vamos nós
De um beijo roubado
De copo na mão
E a cabeça fora do corpo
Sem juízo
Não existe lei
Porque todos são reis
Há uma corte
De bêbados
Entre os súditos esta um soberano
Passa aqui Passa ali e Vamos nós
Que cantam e brincam
Na festa da carne
Um bobo que fala por mil
Durante o paço
Que tem muito aduladores
Uma madre que beija o padre
Sem ser pecado
Passa aqui Passa ali e Vamos nós
Alguns perdem a sanidade
Não tem limite de idade
Basta querer gozar a vida
Na festa dos loucos
Todos são bobos
Passa aqui Passa ali e Vamos nós
Vamos ser feliz por aonde  passar a multidão
Até o dia raiar
Porque são três dias de paixão
Até quarta feira de cinzas chegar


Autora: Isabel van Gurp

Bobo da corte

Desfile de carnaval 























Bailarina

N'alma flutua Uma menina Que reflete No espelho Uma mulher Na imagem Dança Uma bailarina Que move Os pés Em círculos E deixa ...