quinta-feira, 14 de julho de 2011

Uma Obra Prima Chamado Rio


Me sinto dona do meu caminho
Da minha vontade, 
Me sinto segura, 
Me sinto gente
Ando nesta calçada quente
Me reconheço nessa gente
Enfio meu pé nesta areia branca
Eu sinto que este é meu espaço
Que esta terra
É minha
Que este mar me pertence
Me reconheço no espelho do azul do céu
No infinito d'águas 
No brilho da luz
Que bate no reflexo das ondas
E sinto meu coração encher de alegria
Uma alegria quase sem sentido, 
Pura e do nada
Ou pelo simples fato de estar aqui
Nesta terra que é minha
Que eu conheço cada vão, 
Cada pedaço do chão, 
Cada pedra,
Em cada  morro com suas cores brancas pintadas 
pelo sal 
que desenha a pedra como se fosse uma obra prima do Picasso
E nas suas ilhas pequenas e despovoadas 
Espalhadas por essa imensidão azul
Ai como eu amo este mar 
Como amo esta terra
Um amor tão puro e inexplicável
Que eu olho ao redor
Vejo no fundo
Lá no fundo desta imensidão de areia brancaMeus amigos
Meus dois irmãos
Que estão sempre ali 
Me esperando 
Porque eu sou filha desta pedra,
Deste chão
Desta terra 
Deste lugar
Deste sal 
Deste sol
Desta gente
Deste mar
Desta cidade 
Chamada Rio de Janeiro


autora: Isabel van Gurp










































Pensamentos

Quando as lagrimas não escorrem Em vão do pensamento O sentindo de chorar Esta no triste olhar Nobre ser Esta na roupa que ves...