terça-feira, 22 de abril de 2014

Grãos

De grão em grão
Que enche o papo 

Os grãos que nós alimentam
Que nós sustentam
Que mata a fome dos homens
Grão em grão enche o prato
Grão de família
Que cresce em arvores 
O grão que desenvolve no campo
Entre as espigas
Que alastra na terra
E tem como amigo o espantalho
Grão de arroz 
Que se acha em todos os pratos 
Grão que gosta da garoa 
Que molha suas raízes
Para fertilizar o mundo 
De grão em grão 
Corre pelo chão 
E vai para prateleira do mercado
São os grãos ancião
Que pesam nas minhas mãos
Os mesmos grãos que eu jogo
Em algum lugar 
Para ver a minha sorte
São os grãos que vão e vão
São os grãos que eu compro 
O que se vende
São grãos de crianças 
Que alimenta-se de aveia 
São grãos de homens 
Que trabalham a noite e dia 
Nos quatro cantos do mundo
Para colher a semente das lentinhas 
Os grãos que está pendurado no pescoço 
Da menina que tem um axé
Como o fio-de-contas 
Que vieram do céu para Baia 
Numa forma de chocolate 
O grão de feijão 
Da cor da nossa mãe africa
Que jogam-se búzios
Nos terreiros dos orixás   
O grão rico em vitamina 
Que toma o lugar dos peitos 
Com seu leite de soja 
E aumenta seus campos assustosamente
No lugar do verde 
Grãos que pipoca em panelas 
Para ir ao cinema 
De grão em grão
A galinha enche o papo 
E gira a roda da fortuna 
Com seus grãos em grão


Isabel van gurp




























































Bailarina

N'alma flutua Uma menina Que reflete No espelho Uma mulher Na imagem Dança Uma bailarina Que move Os pés Em círculos E deixa ...