domingo, 25 de janeiro de 2015

Navegando...

Envolta do vento
Deixo areia passar
Pelas minhas mãos
No rodamoinho do tempo
Deixo a vida passar pelas hélices
Que giram
Nos ponteiros dos relógios
São as horas que indicam os momentos
A navegar em cada espaço
Em suas próprias rotas dos caminhos
Que dividem entre as noites e os dias
E com uma bussola oriento meu destino
Entre as estrelas como uma capitã da essencia
Coordenando as estradas que vou enfrentar nos mares
E nós dias tempestuosos
Jogo ancora para meu barco não afundar
E fico em porto seguro
Olhando as estrelas e o mar
São nessas horas que eu sei
Que aprendi a navegar pela vida



Isabel van Gurp








sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Orvalho

As gotas
Em pontas
Nas contas
Em gotículas
São orvalhos
Que caem
Que chove
Do céu
Nos burburinhos das madrugadas
Serenos, cinzas e geadas
São águas
Em lágrimas
Em chuviscos
São orvalhos
Em relento
São acentos
São geadas nos ramos
Contíguas
Dos pingos d'águas
Que molham
Sem cheiro
Cultivam em segredo
Dão sabor
E cantam
Caem na terra
Em gotas
Em pingo
Garoa
Nas caladas das noites
São as gotas d'água
Caem em chuva
Em gotículas
Para ser orvalho
Para regar Jeová
Em rama
Em trazer a vida
As  gotas
Em pontas
Nas contas
Em gotículas
São orvalhos


Isabel van Gurp


                                          A minha visita no  museu Kunsthal Rotterdam

                                          em Roterdã foi exposição do James Bond,

                                           eu tirei para variar muitas fotos para dividir com vocês.

                                                   Curta James e suas historias                                      







































O detalhe miniatura do bondinho escrito em português



























Me chamem de Maria

Maria, meu nome é Maria Entre as estrelas Vivo  o espetáculo da vida e a morte O exemplo da bela De ser mais uma entre todas...