quarta-feira, 24 de maio de 2017

Imaginem



São nuvens que formam as  lagrimas
No céu
-Dizem que é morada dos anjos
E o que dizem...
Que os anjos bons
Voam pra la
Imaginem...

As almas puras deslizam
E as outras  caminham
Ao ouvir canto naufragam
E lenda...pura lenda...
Imaginem....


Nos meus olhos
Escorrem a chuva
Inundam o mar
Sacudindo os barcos
De la e pra cá

Uma serenata
De longe se sente...
As sereias que cantam
Aos ouvidos dos deuses

E nadam

Imaginem
As ondas
Que mergulhavam em mim
Batem e voltam para oceano
No vai e volta
No vem e vai
Em poemas cantam


As águas escorrem
Eu flutuei nas minhas lagrimas
Que regava o mar, os rios
Desembocando no céu
Resvalando em gotas 
Nas cachoeiras que aos revés
Em pontas
Correntes pingavam nas nuvens
Formando os oceanos

Os donos são deuses 

Elevando o meu corpo para eternidade
Sentir perder o chão
O meu corpo  caia
Como os raios
Temporal de verão
Nascida em Gaia

Passavam se lentamente
Em todos os meus poros
Secando cada gota de chuva
Eu subia lentamente para o andar de cima 
Acreditei na mitologia

Dos raios

Me sentia nua
Meu corpo tinha escamas
Uma camuflagem do sal
Deixado pelo mar
Que secava meus pecados
Em ardor
Curava as minhas feridas
Como milagre
Me sentia salva
Que a porta abria 
Era dos céus 
De longe vi estrela d'alva
Mas mergulhei no mar
Como uma sereia 





Autora: Isabel van Gurp


Bailarina

N'alma flutua Uma menina Que reflete No espelho Uma mulher Na imagem Dança Uma bailarina Que move Os pés Em círculos E deixa ...