terça-feira, 6 de setembro de 2011

SEU OLHAR




Estou morrendo de saudades
Uma saudade já conhecida
Uma saudade que não faz chorar
Mas queima o coração aos poucos
Que deixa o pensamento 
Como se não houvesse presente 
Foge para longe
Enche os olhos 
com imagens lindas, alegres e felizes
Busca no vazio tua presença 
as palavras sábias
Então,
Vem essa saudade que é cruel
Ao mesmo tempo confortante 
Busca  na recordação
Um carinho tão presente 
Lições que no dia a dia 
Eu aprendi 
Teu olhar
Que me seguia 
Em cada canto, 
Em cada esquina
Em cada momento
Como agora
Mesmo sem a tua presença
Seu olhar me segue
Me protege
Me reprime
Me educa
Me conforta
Me censura
Me ajuda ser forte
E  viver
Sem a tua presença
Teus olhos eram tão atentos aos acontecimentos
Que eu não fugia
Sinto ainda este olhar 
Em todas as minhas atitudes
Em todos os meus gestos 
Foi com ele que eu aprendi a ser gente
Viajo no pensamento
Volto a  ser menina
Sinto tuas mãos
Carinhosa na minha face
E sinto teu cheiro
O calor do teu abraço
Ouço a tua voz
Que contava a pela milionésima vez
A mesma história
Da Rapunzel
Tu nunca se importou
De repeti-la toda noite 
Ou talvez era a única 
Que tu sabias contar
Mas não faz mal
Eu sempre dormia antes  do final
E no outro dia seguinte tu começavas a mesma história de novo
Como eu queria voltar a ser menina 
Eu ouvir esta história contada pelo teus lábios
enrolada no teus braços
Como eu queria 
Voltar a ser menina
E não cometer   travessuras, 
Não fazer  mal criação, 
Não falar palavrões,
Que deixavas tu tão zangada
Ia te ouvir mais
Iria falar menos... muito menos
Como eu queria voltar a ser menina
Para comer todas as guloseimas
Até ficar doente eu queria...com febre
Para poder gritar teu nome
Mãe
E tu irias ficar comigo 
Até a febre passar....mãe

autora: Isabel van Gurp

Filha minha

Filha minha Que brinca de imagem Da cor do reflexo do meu ventre Que ilumina minha alma Enriquece meu espirito Aprendo todos os dia...