quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Passaporte







Somos nós aqui
Com passaporte
Com nomes e fotos
A busca de uma identidade
Chamada eu
Somos nós ali
Longe de quem amamos
Separados pelo oceano
Distantes dos meus
E indiferentes dos seus
Estamos aqui
Cai na fonte doce que brota a saudade
Que chora em rios
E transforma esse pingo d'água
Que queima nos olhos a lagrima
Escorrega antes decrua
De ser meu o soluço
Lacrimejando em mar
Na ebulição das lagoas
No vai e vem das ondas em fúria
Levado pela uma canoa
Que me cercam em ilhas
Dentro de mim mesma
Preciso navegar
Somos nós que tentamos ter
Nós que queremos crescer
Quem sabe entender
E sem pedir muito
Oscilando no dia a dia
O nosso viver
Conhecemos os nossos limites
Superamos e reencontramos as larvas
Esbarramos nas ruas
Que formam as grutas
No meu ser
Profundamente o desconhecido amamos
E muitas vezes odiamos
Dentro das nossas cavidades
Sai de nós um pouco do eu
Parte para sempre
Numa viagem sem guia
Uma partida do porto
Nós e nós nos refazemos
As nossas historias
Desfazendo os pontos
Sem esquecermos de onde viemos
Altruístas no estado de ser
Enfim, filantrópicos para sobreviver
Olhamos este mundo que é sempre um leque
Com as nossas vozes assopramos
Com toque estranho
Acenamos com vento
E um xeque mate de um soldado de papel marche
Enfrentamos as diferenças
Com aprendizado de criança
Aprendendo a falar em silêncio
Buscando o tal do sucesso
Reinventamos historias
Entre nas mãos
Criamos calos
A busca do acerto e do acento
Um pouco a mais
Com virgulas a menos
Sem o ponto final
A esperança e os olhos da felicidade
Que acalma os prantos
E os navios partem
Em águas turvas
Desembarco em oceano
que me separa da minha pátria
Em terra avista


Autora: Isabel van Gurp






































Filha minha

Filha minha Que brinca de imagem Da cor do reflexo do meu ventre Que ilumina minha alma Enriquece meu espirito Aprendo todos os dia...