terça-feira, 19 de novembro de 2013

Um papel


Um papel


Não posso acreditar
Que eu não poderei alcançar meus passos incertos
Dominar meu corpo
Controlar minha mente
E seguir em frente
Sou dona de mim
Mas estou longe
Em algum lugar
Sendo outra pessoa
Senhora do meu destino
Sou eu que faço a minha trilha
Creio na minha inspiração
Luto contra o impossível
Evito as divergências
Encontro problemas
Invento e recomeço
Busco um papel
Fico depressiva
Menos ativa
Feliz ou morro de  tristeza
Faço uma nova lenda
Deixo minha mente livre
Não sei aonde eu quero chegar
Não travo
Viajo nos sonhos
Acordo dos apuros
Entro na alma de alguém
Eu não sei quem
Desperto de uma frase
Desligo do mundo
Jogo a crase
Reinvento uma nova história
Me perco em palavras e versos
Nasce uma nova poesia

autora: Isabel van Gurp











 

Filha minha

Filha minha Que brinca de imagem Da cor do reflexo do meu ventre Que ilumina minha alma Enriquece meu espirito Aprendo todos os dia...